Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Metodologia

Publicado: Segunda, 29 de Maio de 2017, 14h04 | Última atualização em Quinta, 08 de Março de 2018, 14h20 | Acessos: 2089

Como foi construída a metodologia:

A construção da metodologia foi iniciada em 2013. A ideia inicial era a de se aplicar uma matriz diagnóstica aos municípios brasileiros. Em 2014 essa matriz foi aperfeiçoada, chegando-se a um formulário com 77 questões binárias. Após intensas discussões, realizadas por técnicos e gestores de diversas áreas do Ministério do Turismo (estiveram envolvidos doutores, mestres, especialistas em turismo, estatístico, cientista político, dentre outros), em especial do então Departamento de Produtos e Destinos, do Departamento de Estudos e Pesquisas e da Secretaria-Executiva, chegou-se à metodologia escolhida.

 

Em que consiste a metodologia:

Partindo-se da premissa de se trabalhar com dados oficiais, já existentes e atualizáveis, disponíveis para os 5570 municípios brasileiros, e que traduzissem a economia do turismo, se chegou a quatro variáveis objetivas:

VARIÁVEL

FONTE DE COLETA

 Quantidade de Estabelecimentos de Hospedagem

 PSH - IBGE

 Quantidade de Empregos em Estabelecimentos de Hospedagem

 RAIS/MTE

 Quantidade Estimada de Visitantes Domésticos

 Estudo de Demanda Doméstica - MTur/FIPE

 Quantidade Estimada de Visitantes Internacionais

 Estudo de Demanda Internacional - MTur/FIPE

 

Na versão da Categorização lançada em 2018 os dados sobre a Quantidade de Estabelecimentos de Hospedagem foram retirados da Pesquisa de Serviços de Hospedagem 2016 – PSH – do Instituto Brasileiros de Geografia e Estatística – IBGE. A PSH 2016 realizou um levantamento extensivo das empresas que prestam serviços de hospedagem em todo o território nacional.

Essas variáveis deveriam permitir a comparação entre os dados de um e de outro município. Critérios como existência de potencial turístico e patrimônios natural ou cultural não foram considerados na metodologia pela dificuldade de mensuração e porque o objetivo da categorização não é medir atratividade, potencialidade turística, qualidade dos empreendimentos ou representatividade regional de um município.

As quatro variáveis selecionadas foram cruzadas em uma análise de cluster (agrupamento) e deram origem a cinco categorias de municípios. Assim, os municípios que possuem médias semelhantes – nas quatro variáveis analisadas - foram reunidos em uma mesma categoria (A, B, C, D ou E). Logo, o desempenho da economia do turismo de cada município brasileiro foi medido a partir das médias de dados sobre fluxo e hospedagem por ele obtidas. Na categoria A estão reunidos os municípios com maior desempenho da economia do turismo e em E os municípios com menor desempenho da economia do turismo.

 

 

Download

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página